Projeto de extensão: Identidade nacional e decolonialidades

O Laboratório Antígona de Filosofia e Gênero promoverá, no ano de 2018, através do Edital RUA, o projeto de extensão “Identidade nacional e decolonialidades”. Interessados em integrar a equipe de pesquisa devem realizar a pré-inscrição para seleção no e-mail lab.antigona@gmail.com

Seleção de bolsistas: 08/02/2018

Seleção de extensionistas: até 15/03/2018

 

Resumo da Proposta:
Pretendemos discutir a formação da identidade cultural brasileira a partir de uma perspectiva decolonial, situando o Brasil e a América Latina contemporâneos como frutos de uma forma de governamentalidade e produção de saber eurocêntrico-colonialista que, embora se sofistique e contextualize em cada oportunidade, produz segregações e diásporas econômicas e socioculturais: étnicas, raciais, sexuais, generificadas e de produção de classes. Pensando com as feministas pós-estruturalistas e Foucault, enxergamos a eficácia e o funcionamento dessa governamentalidade na produção do saber, na ingerência sobre os corpos, sexualidade e mentalidades individuais para a partir desses alcançar o controle do corpo social. Somamos a essas leituras as contribuições de pensadoras/es do “giro decolonial”, argumentando que a hierarquização e subalternização diaspórica dos povos latino-americanos e de  determinados segmentos sociais é a própria colonialidade em vigência.

Contribuindo para uma visão crítica do conhecimento e das relações sociais, como proposto na LDB 9394/96, nosso objetivo é problematizar a violência simbólica e material que subalterniza as vozes dissidentes, voltando-nos, principalmente, a professores da educação básica e licenciandos. Apresentaremos algumas teses sobre a produção da identidade nacional, conforme aparece em autores/as como Jessé de Souza, Sérgio Buarque de Holanda e Gilberto Freyre, mas também Enrique Dussel, Aníbal Quijano e María Lugones.

A metodologia será estruturada em debates e aulas abertas ao público, onde objeto de análise será constituído por obras literárias e filmográficas que tipificam o imaginário social brasileiro, procurando, através de uma leitura crítica, formas de autorrepresentação que confrontem o pertencimento das personagens a grupos minorizados e/ou segregados.

Palavras-Chave:
Subalternidade, identidade, cultura, colonialidade, governamentalidade.

BIBLIOGRAFIA
Primária:
CARNEIRO, Aparecida Sueli. “Do epistemicídio”. In: A construção do outro como não ser como fundamento do ser. Tese (doutorado) em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo.
________. Mulheres em movimento. Estudos Avançados 17(49), São Paulo, USP, 2003, pp.117-133
________. Racismo, Sexismo e Desigualdade no Brasil. Editora: Selo Negro Edições. São Paulo,2011.
FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala. Rio de Janeiro: Editora Record, 2000.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.
LOURO, Guacira Lopes (org) O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.
LUGONES, María. The Coloniality of Gender. Worlds &Knowledges Otherwisev, 1-vv16, 2008.
_____________. Toward a Decolonial Feminism. Hypatia v, 25(4):742 – 759, 2010.
_____________. Subjetividad esclava, colonialidad de género, marginalidad y opresiones múltiples. Pensando los feminismos en Bolivia: Serie Foros 2. 1ª ed. La Paz, conexión Fondo de Emancipación, 2012, pp.129 -140.
NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.
OYEWÙMÍ, Oyèrónké. Conceitualizando o gênero: os fundamentos eurocêntricos dos conceitos feministas e o desafio das epistemologias africanas. CODESRIA Gender Series. Volume 1, Dakar, p. 1-8, 2004.
QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do Poder e Classificação Social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa, MENESES, Maria de Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina. SA, 2009

_____________. “Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina” In La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciências sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Buenos Aires, Clacso, 2000.
_____________. Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina. Tradução de Gênese Andrade. Estudos Avançados, 19(55): 9 -31, 2005.
PAIVA, Eunice, JUNQUEIRA, Carmen. O Estado contra o Índio. Textos em Ciências Sociais, apud MOTA,
L.T. O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e as propostas de integração das comunidades no estado
nacional. Diálogos, Maringá, v.2, p.149-175, 1998.
SILVA, Edson. Os índios entre discursos e imagens: o lugar na história do Brasil. In: SILVA, E.; PENHA DA SILVA, M. (org.). A temática indígena na sala da aula: reflexões para o ensino a partir da Lei 11.645/2008. Recife: Ed. UFPE, 2013.
__________. Os povos indígenas e o ensino: possibilidades, desafios e impasses a partir da Lei 11.645/2008. V Seminário Educação, Relações Raciais e multiculturalismo: Comunidades Tradicionais e Políticas Públicas – V SEREM. UDESC, 15 a 18/05/2014.

Secundária:
ABREU, Caio Fernando de. Morangos Mofados. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 2016.
ALBER, B; KOPENAWA, D. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia da
Letras, 2015.
CITTADINO, Gisele. Pluralismo, Direito e Justiça Distributiva: Elementos da Filosofia Constitucional
Contemporânea. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2000.
COHN, Sérgio. Ailton Krenak: encontros. Rio de Janeiro: Azougue, 2015.
BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo, crítica à violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
Eles não usam black-tie. Direção: Leon Hirszman. Embrafilme, 1981.
Eternamente Pagu. Direção: Norma Benguell. Embrafilme, 1988.
JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo. Rio de Janeiro: Ática, 2014.
NERY, João W. Viagem Solitária: Memórias de um transexual 30 anos depois. Rio de Janeiro: Leya, 2012.
SANTOS, Joel Rufino dos. Na rota dos tubarões. Rio de Janeiro: Pallas, 2008.
Última Parada 174. Direção: Bruno Baretto. Paramount Pictures, 2008.
SOUZA, Jessé. A Elite do Atraso – da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

Anúncios